Ministério Público recomenda interrupção de atividades em Caldas Novas e Rio Quente

Os dois municípios estão localizados na Região de Saúde Estrada de Ferro, que foi classificada como em situação de calamidade.

0
Caldas Novas e Rio Quente
As duas cidades estão na regional Estrada de Ferro que, se encontra em sitação de calamidade. (Foto: Reprodução)

O Ministério Público de Goiás (MP-GO), expediu recomendações aos prefeitos de Caldas Novas e Rio Quente, Kleber Marra (Republicanos) e Ana Paula (Solidariedade), para que interrompam todas as atividades, exceto supermercados e congêneres, postos de combustível e serviços de urgência e emergência em saúde, pelo prazo de 14 dias. Os dois municípios estão localizados na Região de Saúde Estrada de Ferro, que foi classificada como em situação de calamidade, conforme o mapa de calor informado pela SES.

Nos documentos, o promotor de Justiça Vinícius de Castro Borges recomendou que os dois municípios adequem os decretos municipais ao que estabelece a Nota Técnica nº 1/2021, da Secretaria de Estado da Saúde (SES), que define diretrizes para enfrentar o agravamento da pandemia da Covid-19 em Goiás. Segundo o promotor de Justiça, as medidas para o enfrentamento da pandemia de Covid-19 somente poderão ser determinadas com base em evidências científicas e em análises sobre as informações estratégicas em saúde.

Em Caldas Novas, o boletim epidemiológico apontou ocupação de 100% de leitos de UTI da rede privada, com dez moradores em UTIs de outros municípios por meio da regulação estadual, bem como duas mortes no dia 15. Uma mulher que estava internada em Goiânia e um homem em Itumbiara. Além disso, 83% dos leitos clínicos da rede privada de Saúde, ala Covid, e 50% dos leitos do Hospital de Retaguarda estavam ocupados.

Em Rio Quente, no dia 18 de fevereiro, boletim epidemiológico indicou a disponibilidade de somente um leito clínico e nenhum de UTI, e nove moradores estavam com a doença, além de outros cinco em investigação, sem informações relevantes, como taxa de ocupação e perfil dos pacientes infectados que foram a óbito.


Leia mais: Sandro Mabel revela que empresários recuaram na compra de vacinas contra a Covid-19