Prefeito de Leopoldo de Bulhões pede ajuda ao governo; município com 7 mil habitantes tem 25 casos confirmados

O município, com quase oito mil habitantes já tem 25 casos confirmados de Covi-19 e mais de 60 sob suspeita. O prefeito João Alécio Mendes reclama da falta de apoio por parte do governo estadual.

0

Desde o último sábado (07), está instituído por meio de decreto, um lockdown na cidade de Leopoldo de Bulhões, a cerca de 60 quilômetro de Goiânia. O município, com quase oito mil habitantes já tem 25 casos confirmados de Covi-19 e mais de 60 sob suspeita. O prefeito João Alécio Mendes reclama da falta de apoio por parte do governo estadual.

“Até o momento, a única coisa que recebemos do governo do estado foram 40 testes de Covid-19. E com todos essas necessidades, nós tivemos que gastar mais de R$ 150 mil com EPIs (Equipamento de proteção individual) para estar mantendo a cidade”, revelou o prefeito em entrevista ao Jornal Bandeirantes.

Segundo o prefeito, apenas uma viatura com dois policiais é fixa na cidade, o que não é suficiente para fiscalizar as três barreiras que são mantidas atualmente. “Infelizmente tivemos que montar barreiras sanitárias, fechar muitas entradas e saídas da cidade, onde estamos fazendo um trabalho de prevenção, para que venha a diminuir esses casos”, completou Alécio.

Barreiras

“Na barreira sanitária teremos termômetros, álcool em gel, máscaras e luvas que estamos fornecendo para pessoas que não tem condições e nem interesse próprio”, disse o prefeito. Além disso, “pessoas de outras cidades não estão entrando em Leopoldo de Bulhões, então estamos fazendo um monitoramento muito rigoroso”, revelou.

Além dos cidadãos que comprovam moradia na cidade, também é permitida a entrada de entregadores de supermercados e farmácias. A visita de parentes ou amigos está proibida, mas João revela que algumas pessoas insistem. “Infelizmente, a gente não conta de barrar tudo porque tem umas pessoas ignorantes que não respeitam a lei do município”, completou o prefeito.

Falta de apoio

A falta de apoio do estado foi uma das principais reclamações do dirigente. “Gostaria muito de pedir apoio ao governo do estado para que nos ajudasse com mais viaturas, com mais efetivos da polícia militar, porque infelizmente a população não respeita os fiscais do município”, reclamou.

João Alécio relata também a falta de apoio financeiro, e revela que das emendas prometidas, apenas uma foi creditada para ajudar o município durante a crise. “Nossa arrecadação caiu quase 50%, tive que demitir pais e mães de família com o coração partido. Tive que mandar funcionários embora para dar sustentabilidade ao nosso povo e conseguir manter os salários em dias”.

Com 25 casos confirmados de infecção pelo novo coronavírus e mais de 60 casos suspeitos. Com menos de 8 mil habitantes, a taxa de casos a cada 100 mil pessoas é de 287 casos. Em Goiânia, município com mais casos de Covid-19 no estado, esta taxa é de 168.


Leia mais: Prefeito de Silvânia é afastado por suspeita de corrupção