Polícia confirma mais uma morte associada à cerveja contaminada

0
Foto: Marcos Vieira/Estado de Minas

A Polícia Civil (PC) confirmou nesta quarta-feira, 15, a segunda morte associada ao consumo da cerveja pilsen Belorizontina, da Backer. O homem, que não teve nome e idade divulgados, morreu devido a complicações decorrentes de insuficiência renal e alterações neurológicas.

O quadro, segundo a investigação, teria sido causado pela intoxicação por uma substância encontrada em amostras da bebida, o dietilenoglicol. Agora, o corpo da vítima será encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML), onde será submetido a novos exames que determinarão a causa da morte.

Ao anunciar o óbito, a PC informou que já foi notificada de 18 casos suspeitos de intoxicação. Em quatro deles foram atestados presença de dietilenoglicol. Já a Secretaria de Saúde de Minas Gerais confirmou 17 internações relacionadas com o consumo da cerveja.

Suspeita

A Política investiga, ainda, a suspeita de um terceiro caso de morte por intoxicação envolvendo uma moradora da cidade de Pompéu, a cerca de 170 quilômetros de Belo Horizonte. A relação com a cerveja Backer, no entanto, não foi confirmada até o momento.

Conforme informações da Secretaria de Saúde de Pompéu, a mulher, que morreu no último dia 28 de dezembro, esteve em Belo Horizonte entre os dias 15 e 21 do mesmo mês. De acordo com familiares, ela consumiu a bebida nesse período.

Leia mais:

Minas Gerais: polícia encontra mais um lote de cerveja contaminada