30.8 C
Goiânia
sábado, 31, julho 2021
- Anúncio -

Operação Mestre De Obras afasta secretários e servidores públicos de Edeia

Estão sendo cumpridos 14 mandados de busca e apreensão e nove afastamentos de funções públicas de secretários municipais e servidores públicos da Prefeitura de Edéia.

- Anúncio -

Mais Lidas

- Anúncio -
- Anúncio -
- Anúncio -
- Anúncio -

A Delegacia Estadual de Repressão a Crimes Contra a Administração Pública (DERCAP) deflagra na manhã desta terça-feira (22), a Operação “Mestre De Obras”. Estão sendo cumpridos 14 mandados de busca e apreensão e nove afastamentos de funções públicas de três secretários municipais e seis servidores públicos da Prefeitura de Edéia, no interior de Goiás.  

Os mandados estão sendo cumpridos na sede da Prefeitura de Edeia e na residência dos secretários e demais servidores investigados. A investigação, iniciada em março deste ano, apura esquema criminoso de fraudes em vários procedimentos licitatórios para execução de obras públicas. De acordo com a polícia, essas obras foram realizadas pelo município de Edeia entre 2013 e 2020.

Os valores supostamente desviados podem ultrapassar R$ 2,6 milhões. Na Operação Mestre de Obras, a Dercap também cumpre bloqueio de bens equivalente ao montante desviado, em virtude de medida judicial que acolheu o pedido da Polícia Civil.

Investigação

As investigações apontam indícios de que os agentes políticos teriam participado de um esquema criminoso que funciona, desde o ano de 2013 e perdurou até este ano. De acordo com a polícia, o esquema consiste em forjar licitações para a execução de obras públicas.

Segundo apurado, os servidores teriam registrado empresas fantasmas em nome de serventes de pedreiro, pedreiros e mestres de obras para simular que estes concorriam a um processo licitatório. Entretanto, o valor da licitação, na verdade, era completamente entregue para a gestor da pasta o qual pagava aos operários apenas o valor de suas diárias.

A diferença entre o que foi pago para os trabalhadores em diárias e o pagamento feito pela Prefeitura para as empresas somaram mais de R$ 2.6 milhões. Por esse motivo, foi deferido o bloqueio deste valor das contas e bens dos investigados. A operação resultou ainda na lavratura de um Auto de Prisão em Flagrante Delito (APF) pelo crime de posse ilegal de arma de fogo. A operação apreendeu também, quase R$ 30 mil em espécie.


Leia mais: PC investiga supostas irregularidades na compra de álcool em gel pela Seduc

- Anúncio -
- Anúncio -
- Anúncio -

Últimas Notícias

- Anúncio -