Justiça proíbe realização de manifestações para evitar contágio por coronavírus em Goiás

0
Imagem: Wagner Soares/TJGO

O juiz Adegmar José Ferreira, do Tribunal de Justiça de Goiás (TJ-GO), proibiu a realização de protestos durante o período de quarentena em Goiás. O magistrado levou em consideração que as manifestações e qualquer outro evento que possa gerar aglomeração representam “perigo eminente à saúde pública”.

A decisão acatou um pedido do Ministério Público de Goiás (MP-GO) e atribuiu a liminar com a obrigação da proibição de passeatas e carreatas até o dia 30 de abril.  O juiz autorizou que o governo use, se preciso, as forças de segurança para evitar este tipo de evento.

O juiz ordenou “proibição de qualquer tipo de manifestação em Goiânia e, por conseguinte, em todo o território do Estado de Goiás” no decorrer da quarentena em Goiás

Nas redes sócias, o governador do estado, Ronaldo Caido (DEM), informou que recebeu o documento.

“Acabei de receber um oficial de Justiça aqui em meu gabinete com uma decisão do Tribunal de Justiça de Goiás, que atendeu a um pedido do Ministério Público e proibiu aglomerações e manifestações de qualquer natureza em Goiás até o dia 30 de abril”, escreveu Caiado.

O governador garantiu que o estado irá cumpriri a determinação e que já alertou os fiscais para redobrar a atenção

“A decisão do magistrado diz buscar a preservação da saúde dos goianos e determina que o estado garanta o cumprimento. Será cumprido conforma a Justiça determinou. Já informei a todos os responsáveis pela fiscalização em Goiás que a Justiça proibiu manifestações e aglomerações”, completou o governador.

Leia mais:

Coronavírus: Goiás tem 56 casos confirmados