Sequestrador de ônibus no Rio estava em surto psicótico

0
566
Foto: Reprodução

O homem que sequestou um ônibus na manhã desta terça-feira na ponte Rio-Niterói sofria com um surto psicótico. Foi o que informou o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, durante coletiva após a operação que matou o sequestrador Willian Augusto da Silva, de 20 anos, após três e horas e meia de negociações.

Para Witzel, a operação foi um sucesso: “Tivemos que usar atiradores de elite para neutralizar um homem que ameaçada dezenas de vidas (…) Durante a negociação ele demonstrou uma perturbação mental e disse que queria parar o estado. Vamos ouvir os reféns e familiares para entender o que levou ele a praticar este ato.”

Segundo o comandante do Batalhão de Operações Especiais da Polícia Militar (Bope), tenente-coronel Maurílio Nunes, responsável pela ação, a psicóloga que estava no local identificouque William tinha um perfil psicótico, o que levou a polícia a iniciar a “negociação tática” que culminou nos disparos fatais.

O governador Witzel diz que subiu no ônibus e viu que havia um cheiro forte de gasolina. Ele afirmou que o seqüestrou pendurou no teto do ônibus garrafas PET cortadas com gasolina e tinha um isqueiro na mão quando foi abatido.

Por motivo de sigilo das investigações que estão em andamento, não foi informado o número de tiros disparados contra o sequestrador. Ele foi levado para o Hospital Souza Aguiar, no centro do Rio, mas também não há informações se ele chegou com vida à unidade de saúde.