Lúcia Vânia: Justiça, trabalho e assistência são pilares da Secretaria de Desenvolvimento Social

0
Foto: Sara Queiroz

A Secretária de Desenvolvimento Social e ex-senadora da República, Lúcia Vânia (PSB), foi a entrevista do Jornal Bandeirantes nesta terça-feira, 29. Ela assumiu a pasta no último dia 04 de outubro e contou sobre os primeiros desafios que enfrenta à frente da secretaria.

Segundo Lúcia Vânia, o Desenvolvimento Social em Goiás trabalha com três vertentes: Justiça, trabalho e assistência social.

“O primeiro desafio é fazer com que a pasta seja transformada em uma secretaria de políticas públicas da cidadania”, comentou. Há ainda, segundo ela, outro grande desafio repassado pelo governador Ronaldo Caiado: a questões dos menores infratores e as condições dos reeducandos no estado.

“Umas das preocupações do governador Ronaldo Caiado é no sentido que essa área seja referência nacional. E nós estamos trabalhando nessa direção”, afirmou. Segundo ela, até o momento foram atendidas “necessidades mais urgente dessa área” e em breve no próximo mês serão retomadas obras de construção de novos centros de internação provisória para adolescentes.

“Nós tínhamos já cerca de R$ 23 milhões para conclusão das obras, mas fizemos um esforço para agilizar os convênios para serem aplicados rapidamente antes do vencimento. Fizemos uma força-tarefa com a PGE, Saúde, Educação e Goinfra”, reiterou.

Ela ainda lembrou que a Secretaria de Desenvolvimento Social também tem um grande ativismo em relação a mulher e que neste mês haverá um trabalho intenso em relação a violência contra a mulher.

De acordo com a secretária, a pasta conta com vários recursos federais, mas é preciso “ter agilidade para fazer esses convênios e colocar isso em prática”.

Política

Na entrevista, Lúcia Vânia também falou sobre questões políticas em relação a Goiás, como a reforma da previdência estadual e alianças com o atual governador e o ex-gestor, Marconi Perillo (PSDB)

Confira a entrevista completa:

Leia mais:

Vanderlan: “O problema do nosso país não é a Previdência, é a dívida pública”