Governo de Goiás inicia vacinação em comunidades Kalunga contra Covid-19

Serão imunizados todos os 5.252 nativos dos três municípios. A previsão é de que a ação ocorra até dia 15 de março, na aplicação da primeira dose.

0
Vacinação comunidades Kalunga
As doses destinadas às comunidades Kalunga são da CoronaVac, fabricada pela empresa chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan. (Foto: Hegon Corrêa / Secom Goiás)

O Governo de Goiás iniciou no último sábado (06), a vacinação contra a Covid-19, em comunidades Kalunga da região Nordeste do Estado. A Secretaria Estadual de Saúde (SES-GO), começou a imunização em Cavalcante, que abriga 80% desta população. Em seguida a aplicação segue por Monte Alegre e Teresina de Goiás. Serão imunizados todos os 5.252 nativos dos três municípios. A previsão é de que a ação ocorra até dia 15 de março, na aplicação da primeira dose.

O envio das vacinas foi anunciado pelo governador Ronaldo Caiado no dia 4 de março. Em publicação nas redes sociais, ele definiu a operação como um momento de grande emoção. “Esse povo carrega séculos e séculos de história na pele. São pessoas que preservam sua cultura como quem cuida do bem mais precioso. Eu fiz o compromisso de cuidar de cada um dos 7,2 milhões de goianos, sobretudo dos mais vulneráveis”, afirmou.

As comunidades representam uma parcela significativa da população local. A destinação das doses aos Kalunga foi possível porque o Estado entrou na cota do Fundo Estratégico de Vacinação contra a Covid-19, do Ministério da Saúde, e recebeu doses extras devido ao cenário de emergência. Somente pessoas acima de 18 anos são vacinadas. Além disso, a imunização é exclusiva para os residentes dentro das comunidades, já cadastrados por agentes de saúde e pelas associações dos quilombos.

Logística

Os profissionais das SES-GO, enviados à região, estão divididos em duas equipes. A primeira começou a vacinação na comunidade Kalunga que reside no Vão de Almas e Vão do Moleque. Já a segunda segue para os Quilombos Capela, São Domingos, Engenho II, Morros e Prata. Eles são responsáveis pelo traslado, armazenamento, logística e aplicação das vacinas.

As doses estão distribuídas conforme demanda de cada comunidade: 2.610 para Cavalcante, 1.900 para Monte Alegre e 742 para Teresina de Goiás. A operação é coordenada pela Superintendência de Vigilância em Saúde (Suvisa), que conta com quatro enfermeiros, um fiscal da Vigilância Sanitária e dois motoristas.  

Paralela à imunização, a Secretaria Estadual de Saúde também faz uma investigação e testagem rápida nas comunidades quilombolas. Foram destinados mil testes do tipo IGG e IGM, padrão ouro, que estão sendo aplicados na região. Quem estiver contaminado com a covid-19 terá que esperar pelo menos 30 dias após o fim dos sintomas para vacinar.

As doses destinadas às comunidades Kalunga são da CoronaVac, fabricada pela empresa chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan. O imunizante precisa ser armazenado entre 2º e 8º C para ter eficácia garantida. Até o momento, Goiás já recebeu seis remessas de imunizantes, que totalizam 514.480 doses. São 395.480 da CoronaVac e 119.000 da AstraZeneca.

(Com informações do Governo de Goiás)


Leia mais: Ocupação dos leitos de UTI em Goiás e Goiânia chega a 99% nesta segunda-feira