Dra. Cristina diz que PL fraudou ata de convenção e irá à Justiça para manter candidatura

Cristina afirma que seu nome foi homologado, o que garante sua candidatura. Segundo ela, “o partido fraudou a ata e registrou o que não foi definido na convenção, houve um crime, uma sabotagem eleitoral”.

0
Vereadora Dra. Cristina Lopes
Cristina afirma que seu nome foi homologado, o que garante sua candidatura. (Foto: Arquivo Bandeirantes)

A candidatura da vereadora Dra. Cristina Lopes (PL) à Prefeitura de Goiânia foi retirada pelo Partido Liberal (PL), na última quinta-feira (17). Em entrevista ao Jornal Bandeirantes, Dra. Cristina disse que foi vítima de “uma sabotagem eleitoral” e que se a decisão não for revertida, ela tem provas suficientes para buscar a candidatura na Justiça.

“Estou candidata porque essa foi a decisão da convenção realizada no dia 16 (setembro) das 13h às 14h. A aclamação da convenção me coloca como candidata pelo PL em Goiânia, é um fundamento da democracia brasileira, ela tem que ser respeitada e jamais aceitaremos fraudes”, disse a vereadora, segunda mais votada nas eleições de 2016 (9.114 votos).

Entre os argumentos, a parlamentar diz que a principal prova em mãos, é a aclamação e homologação de seu nome durante a convenção realizada pelo partido. De acordo com ela, a aclamação contou inclusive, com presença da deputada federal Magda Mofato e do presidente municipal Valdery júnior, onde “todos afirmaram a candidatura e a convenção que é o documento oficial que homologa os nomes para concorrência do pleito eleitoral”.

“O partido fraudou a ata”

Cristina afirma que seu nome foi homologado, o que garante sua candidatura. Segundo ela, “o partido fraudou a ata e registrou o que não foi definido na convenção, houve um crime, uma sabotagem eleitoral”, disse. Cristina afirma que “eles (lideranças do PL) fraudaram uma ata que não é a verdadeira”.

O prazo para o registro oficial de todas as candidaturas é o dia 26 de setembro, quando começam de fato as campanhas eleitorais. Até o próximo sábado (26), não o PL, mas todos os partidos podem fazer mudanças e definir os pleitos eleitorais. Cristina ressalta que o prazo é um dos motivos pelo qual ela ainda não foi à Justiça buscar a candidatura.

“Estamos com toda documentação preparada para dar entrada porque a Justiça eleitoral tem prazos, então assim que o prazo da publicação dos editais vencer, pois ainda há tempo do partido fazer essa correção, mas se não fizer, aí sim eu entro na justiça”, explica. O PL declarou apoio ao candidato do MDB, Maguito Vilela, que substitui o prefeito Iris Rezende na disputa das eleições municipais em 2020.

A reportagem da Bandeirantes entrou em contato com o diretório estadual do PL, mas não obetve resposta até a publicação desta reportagem.

Conira a entrevista com a vereadora Dra. Cristina Lopes (PL).


Leia mais: Operação Mestre De Obras afasta secretários e servidores públicos de Edeia