28.8 C
Goiânia
segunda-feira, 15, abril 2024
- Anúncio -

“Queremos manter tudo funcionando, mas infelizmente os números não permitem”, diz presidente da Fecomércio

- Anúncio -

Mais Lidas

- Anúncio -
- Anúncio -
- Anúncio -
- Advertisement -

O presidente da Federação do Comércio do Estado de Goiás (Fecomércio), Marcelo Baiocchi, confirmou a necessidade de fechamento das atividades não essenciais na próxima semana. “É um momento difícil, nós empresários, comércio, serviços, turismo, queremos manter tudo funcionando, mas infelizmente os números não permitem, a saúde está demonstrando que o vírus está numa contaminação muito alta”, declarou em recado aos empresários nas redes sociais.

Baiocchi se manifestou após participar de reunião com prefeitos de Goiânia e Região Metropolitana para discutir medidas de enfrentamento à pandemia. No encontro, os representantes do Executivo decidiram decretar a restrição das atividades por sete dias a partir de segunda-feira (1º).

O presidente destacou, ainda, que indicadores da situação epidemiológica, como número de casos diários e leitos disponíveis para tratamento, serão reavaliados e uma prorrogação das medidas pode ser determinada. Baiocchi também destacou o que deve continuar operando durante o decreto: “Permanecerão funcionando as atividades essenciais, a indústria que abastece as atividades essenciais e sua cadeia produtiva”.

Ele também fez um apelo ao setor produtivo. “Tenham consciência de manter o distanciamento, usar máscara, álcool, porque se não fizermos isso, infelizmente, o vírus vai cada vez nos trazer mais dificuldade”, pediu.

Além da Fecomércio-GO, participaram da reunião representantes Associação Comercial, Industrial e de Serviços do Estado de Goiás (ACIEG), da Associação Comercial e Industrial de Aparecida de Goiânia (ACIAG) e da Região da 44.

Leia mais: Goiânia e cidades da região metropolitana cogitam lockdown por 7 dias

- Anúncio -
Array
- Anúncio -
- Anúncio -

Últimas Notícias

- Anúncio -