Procon pede esclarecimentos a cerealistas e supermercados sobre aumento no preço do arroz

As empresas notificadas terão 3 dias para apresentar as notas fiscais de entrada e saída do período que vai do dia 1º de junho até o dia em que ela foi notificada.

0
387
Procon Goiás fiscaliza o preço do arroz em Goiânia
Cerealistas, distribuidoras e supermercados são alvo da operação. Foto: Divulgação / Procon Goiânia)

O Procon Goiás iniciou, nesta semana, a notificação de cerealistas, distribuidoras e supermercados localizados em Goiânia e Região Metropolitana. O objetivo é averiguar as razões dos aumentos relatados por consumidores e, eventualmente, o possível aumento injustificado dos preços.

Em uma ação rápida, devido à urgência da ocasião, o órgão optou pela fiscalização por meio de amostragem. As empresas notificadas terão 3 dias para apresentar as notas fiscais de entrada e saída do período que vai do dia 1º de junho até o dia em que ela foi notificada.

Neste período, já foram notificados 20 estabelecimentos, nos quais foram constatados os valores de diversas marcas de arroz. A partir disso, serão verificadas possíveis práticas abusivas relacionadas ao aumento de preço recente.

Caso haja a comprovação de aumento abusivo de valores, descumprimento do prazo ou não apresentação de todos os documentos solicitados, a empresa infratora será autuada. A multa pode variar de R$ 650 a R$ 9 milhões, a depender do tamanho do estabelecimento, natureza da infração e se há reincidência.

Denúncias

O superintendente do Procon Goiás, Allen Viana, solicita que os consumidores sigam colaborando com a atuação do órgão mediante a apresentação de denúncias e reclamações. “O consumidor consciente dos seus direitos é uma extensão da Superintendência do Consumidor, pois ele melhor do que ninguém sabe quando os seus direitos estão sendo lesados”, disse.

Os consumidores podem fazer denúncias e reclamações através do 15, pelo telefone (62) 3201-7124 ou pelo portal Procon Web.


Leia mais: Multa para turistas que acamparem no Rio Araguaia pode chegar a R$ 500 mil