21.8 C
Goiânia
sábado, 24, fevereiro 2024
- Anúncio -

Na grande área, um grandalhão exercita a grandeza do gol

Gonzalo, atacante de 2,04m, é um dos destaques do Anápolis no Goianão. Atacante é filho de professora e revela traços da personalidade dele

- Anúncio -

Mais Lidas

- Anúncio -
- Anúncio -
- Anúncio -
- Advertisement -

Por: Juliano Moreira

Depois de eliminar o Vila Nova, o Anápolis quer seguir fazendo história no Campeonato Goiano. Já garantido na edição de 2024 da Série D do Campeonato Brasileiro, o Galo da Comarca sonha com o retorno à decisão do Goianão, onde esteve pela última vez em 2016, e, consequentemente, à Copa do Brasil, a competição mais milionária do país.

Dentre os destaques da belíssima campanha do Tricolor da Boa Vista no Goianão, está o atacante Gonzalo, que já marcou seis gols e é o artilheiro do clube no torneio. Apesar do bom momento individual, o jogador enaltece o coletivo, dizendo que, mesmo tendo começado o Goianão desacreditado, tudo se encaixou.

“O momento do nosso time no Campeonato Goiano é muito bom. Era um time que, no início da competição, vinha um pouco desacreditado por conta da pré-temporada um pouco abaixo. Mas tudo se encaixou e, assim, acabaram se destacando algumas individualidades. Estou muito feliz pelo campeonato que eu e a equipe estamos fazendo”, disse Gonzalo.

Com dois gols a menos que Nicolas, que aparece como artilheiro do Campeonato Goiano, Gonzalo confessa que pensa em terminar a competição na artilharia. Entretanto, o camisa 9 afirma que este não é o seu objetivo principal. Segundo ele, o pensamento principal é sempre no coletivo da equipe.

“Sim, eu penso. Tenho pensado e vi que é possível. Por um tempo, eu fui o artilheiro. Então, eu também penso nisso. Mas não é o meu principal objetivo. Nossa equipe é bastante coletiva. Então, estou sempre pensando primeiro no coletivo, na vitória da equipe. Eu acho que é desta maneira que as coisas acontecem e foi assim que eu fiz meus seis gols”, comentou o atacante.

Dono de quase 50% dos gols marcados pelo Galo da Comarca no Goianão, Gonzalo tem chamado a atenção de alguns clubes. Emprestado pelo Red Bull Bragantino, o jogador tem vínculo com a equipe paulista até o mês de maio. Com futuro incerto para o restante da temporada, ele salienta que tem deixado essa questão com seus representantes e mantido o foco em dar o seu melhor dentro de campo.

“Eu não sei. Estou fazendo o Campeonato Goiano da melhor forma que posso. Estou bastante focado no time. Quem tem tratado disso são os meus representantes.Tenho contrato com o Red Bull Bragantino até o mês de maio. Então, depois disso, eu ainda não sei”, contou Gonzalo.

Natural de Lajeado, no interior do Rio Grande do Sul, o centroavante, de 2,02 metros de altura, tem o sueco Ibrahimovic como maior inspiração dentro das quatro linhas. Fora delas, o espelho é o pai Isidoro, maior incentivador e conselheiro para que Gonzalo viesse a se tornar um atleta profissional.

“Meu maior incentivador sempre foi o meu pai. Até hoje. Eu digo que ele é mais apaixonado por futebol do que eu. Ele não perde um jogo. Então, desde pequeno, ele sempre me incentivou a jogar. E, também, me avisou como seria difícil chegar (aos clubes grandes). Ele sabia que são poucos os jogadores que chegam num clube grande. A maioria dos jogadores têm que rodar (por clubes menores), para ganhar confiança e as coisas começarem a dar certo. Então, ele sempre me avisou sobre isso e eu fui muito persistente. Minha mãe também sempre me apoiou. E as coisas começaram a dar certo. Então, desde novinho, ele é o meu maior incentivador”, revelou o atacante.

Por fim, Gonzalo brinca e diz que, se não fosse jogador, não saberia onde estaria. Com muitos professores na família, o camisa 9 não esconde de ninguém que a dedicação aos estudos não era um de seus fortes e que o foco pelo futebol falou mais alto.

“Não sei responder. Na minha família, a maioria são professores. Mas nunca foi o meu forte. Eu ia bem na escola, mas o futebol sempre foi o meu maior foco. Até acabei deixando (os estudos) de lado. Por ser professora, foi difícil para a minha mãe lidar com isso. Mas, no ensino médio, é bem difícil conciliar o esporte com a escola. Então, tive que deixar (a escola) um pouco de lado. Mas acabei completando o ensino médio”, finalizou Gonzalo.

- Anúncio -
- Anúncio -
- Anúncio -

Últimas Notícias

- Anúncio -