23.8 C
Goiânia
sexta-feira, 19, abril 2024
- Anúncio -

Goiânia chega a 347 leitos para tratamento da Covid-19; dos 150 leitos de UTI, 92% estão ocupados

O Hospital e Maternidade Municipal Célia Câmara, que conta com 60 leitos de UTI, está com 59 deles ocupados.

- Anúncio -

Mais Lidas

- Anúncio -
- Anúncio -
- Anúncio -
- Advertisement -

A Prefeitura de Goiânia anunciou nesta semana que a rede pública municipal chegou a 347 leitos para tratamento da Covid-19. Destes, 197 são leitos de enfermaria e 150 são leitos de UTI. Apesar do aumento de leitos em Goiânia nos últimos dois meses ser de 350%, os 150 leitos de UTI estão com 92% de ocupação, e os de enfermaria estão 79% ocupados.

Além das unidades próprias, que são o Hospital e Maternidade Municipal Célia Câmara, Hospital das Clínicas e a Santa Casa de Misericórdia, a prefeitura mantém contrato com cinco hospitais particulares: Gastro Salustiano, Hospital Jacob Facuri, Hospital Ruy Azevedo, Hospital São Lucas e Renaissance.

O Hospital e Maternidade Municipal Célia Câmara, que conta com 60 leitos de UTI, está com 59 deles ocupados. A maternidade é o local que mais dispõe de leitos na rede municipal em Goiânia. Entre os hospitais privados contratados pela prefeitura, o Gastro Salustiano é o que tem mais leitos de UTI para combate a Covid-19. Dos 35 disponibilizados, apenas três estão vagos.

Leitos estaduais estão 89% ocupados

Em comparação com os leitos disponibilizados pelo estado, a rede municipal de saúde e rede estadual se equiparam na taxa de ocupação dos leitos. Na manhã desta quinta-feira (09), a taxa de ocupação dos leitos de UTI segundo a Secretaria de Estado da Saúde (SES) é de 86,7%. Os leitos de enfermaria também apresentaram aumento na taxa de ocupação, registrando 76%.

Em entrevista ao Jornal Bandeirantes na última quarta-feira (07), o Secretário de Estado da Saúde, Ismael Alexandrino disse que o pico de contaminação será entre os dias 22 e 27 de julho. “Acredito que estamos vivendo dos 30 dias mais críticos de pressão no sistema de saúde pública e privada”, revelou.

Ainda de acordo com ele, nos hospitais estaduais a taxa de ocupação tem aumentado dia a dia, porém, graças a ampliação da capacidade de leitos, o sistema ainda não entrou em colapso. “O que foi planejado foi planejado, foi executado, e os últimos leitos que foram planejados até o final de julho também serão ocupados”, disse o secretário.

Hospitais de Campanha estão lotados

O Hospital de Campanha de Goiânia, unidade que mais dispõe de leitos na rede estadual, com 176 implantados, sendo 84 de enfermarias, 70 de UTI e 22 para emergenciais está com 87,5% de ocupação no geral. Afunilando somente para os leitos de enfermaria, esse número chega em 95%.

O Hospital de Campanha de Luziânia, que conta com 42 leitos implantados está com 100% de ocupação tanto em leitos de UTI quanto de enfermarias. O Hospital de Campanha instalado pelo governo em Águas Lindas de Goiás também está com 100% de ocupação nos leitos de UTI, já os leitos de enfermaria somam 88% de ocupação.


Leia mais: Flexibilização da quarentena na capital será feita em conjunto entre Município e Estado

- Anúncio -
Array
- Anúncio -
- Anúncio -

Últimas Notícias

- Anúncio -