Casos de estupro no Brasil batem recorde

0
Foram registradas 66.041 vítimas do crime em 2018, uma taxa de 31,7 por 100 mil habitantes. Foto: Reprodução

Dados do 13º Anuário Brasileiro de Segurança Pública divulgado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública nesta terça-feira, 10, o Brasil atingiu o recorde de registros de estupros no ano passado. Foram registradas 66.041 vítimas do crime em 2018, uma taxa de 31,7 por 100 mil habitantes.

No início da série histórica, em 2011, o país contabilizou 43.869 casos de estupro. Segundo o estudo, desde 2011 até 2018, houve um aumento de 50,5% nos registros. De 2017 para 2018, a variação foi de 4,1%. Quando só vítimas mulheres são consideradas, o aumento sobe para 5,4%.

Ainda segundo o estudo, a maior parte dos estupros que ocorre no Brasil é o de vulnerável (contra crianças menores de 14 anos ou pessoas com doenças ou deficiência mental que não têm discernimento para a prática do ato e que não podem oferecer resistência). O número chega a 63,8%. A maioria dos crimes é praticado contra meninas de 10 a 13 anos: 28,6%. Os dados mostram que quatro meninas até essa idade são estupradas por hora no país. Além disso, o autor do estupro é homem (96,3%) e é quase sempre conhecido da vítima (75,9%).

O Mato Grosso do Sul tem a maior taxa de estupros por 100 mil habitantes do Brasil (70,4), seguido pelo Paraná que aparece com 60,8.

Feminicídio e injúria

De acordo com o anuário, os feminicídios tiveram aumento de 4%, ao mesmo tempo em que os homicídios de mulheres reduziram 11,1% de 2017 para 2018. De cada dez mulheres mortas seis eram negras. A faixa etária das vítimas é diluída: 28,2% tem entre 20 e 29 anos, 29,8% entre 30 e 39 anos. E 18,5% entre 40 e 49 anos.

Além disso, houve o aumento de 20,6% no número de registros de injúria racial: subiram de 6.195 casos em 2017 para 7.616, em 2018. O homicídio contra a população LGBT também registrou um aumento de 10,1% no Brasil.

Leia mais:

Moro elogia forças policiais goianas por redução de índices de criminalidade