Biden pede uso de máscaras e convoca força-tarefa anticovid com integrante brasileira

A brasileira Luciana Borio é especialista em biodefesa, dedicou boa parte da vida acadêmica e profissional nos Estados Unidos.

0
Força-tarefa Joe Biden
Presidente eleito fez videoconferência com força-tarefa. (Foto: Reprodução / Twitter Biden)

O presidente-eleito dos Estados Unidos (EUA), Joe Biden, pediu em pronunciamento nesta segunda-feira (09), que os americanos usem máscaras para combater a pandemia do novo coronavírus. Biden também convocou uma força-tarefa para delinear um plano para enfrentar a crise de saúde pública. Entre os nomeados por Biden, está a brasileira Luciana Borio.

A brasileira Luciana Borio é especialista em biodefesa, dedicou boa parte da vida acadêmica e profissional nos Estados Unidos. Entre seus trabalhos, está a construção de um programa de biodefesa que prevê, entre outras coisas, a preparação para enfrentar uma pandemia. 

“Poderíamos salvar dezenas de milhares de vidas se todos simplesmente usassem máscaras nos próximos meses. Não vidas democratas ou republicanas, vidas americanas”, disse Biden aos repórteres em Wilmington, Delaware. “Imploro a vocês. Usem máscara. Façam isso por si mesmos. Façam isso por seu vizinho. Uma máscara não é uma declaração política.”

Ataques de Trump

A pandemia já matou mais de 237 mil norte-americanos. Biden falou dois dias depois de ser declarado vencedor na eleição contra Donald Trump, embora o presidente republicano não tenha reconhecido a derrota e esteja acionando contestações legais dos resultados, ao mesmo tempo em que faz alegações infundadas de fraude.

O presidente Donald Trump atacou a integridade do processo eleitoral dos EUA diversas vezes nos últimos dias, entretanto, sem provas. Além disso, alguns de seus aliados o incentivaram a esgotar todos os recursos para se manter no poder.

Força-tarefa

Biden que, toma posse no dia 20 de janeiro, fez uma videoconferência com sua força-tarefa de 13 membros, comandada pelo ex-cirurgião-geral Vivek Murthy, por David Kessler, ex-comissário da Agência de Alimentos e Medicamentos (FDA) dos EUA, e por Marcella Nunez-Smith, especialista em igualdade de recursos de saúde da Universidade Yale.

O presidente eleito classificou como “ótima notícia” o anúncio da Pfizer Inc nessa segunda-feira (09), de que sua vacina experimental contra covid-19 é mais de 90% eficiente. Disse, no entanto, que se passarão “muitos meses antes de haver uma vacinação generalizada” nos EUA e destacou a importância de se usar máscaras e manter o distanciamento social.

Os EUA registraram números recordes de infecções nos últimos dias. O uso de máscaras se tornou uma questão política no país – Trump zombou de Biden por usar máscara durante a campanha e muitos conservadores argumentaram que elas afrontam sua liberdade individual.

“O objetivo é voltar ao normal o mais rápido possível”, disse Biden. “E máscaras são essenciais para fazê-lo. Não será para sempre. Mas é assim que faremos nossa nação recuperar velocidade economicamente, para que possamos voltar a comemorar aniversários e feriados juntos, para que possamos assistir a eventos esportivos juntos, para que possamos voltar à vida e às ligações que compartilhávamos antes da pandemia.”

Durante a campanha, Biden acusou Trump de entrar em pânico e se render à pandemia. Trump defendeu remédios sem aprovação, repreendeu autoridades de saúde pública, não expressou empatia ou compaixão à medida que o número de mortos crescia e desdenhou dos alertas sobre o uso de máscaras e o distanciamento social.

(Com informações da Agência Brasil)


Leia mais: Projeto da cerveja de mandioca é ampliado e Ambev vai adquirir 3 mil toneladas em Goiás