Para conter Covid-19, Saúde propõe que municípios goianos adotem Lei Seca

0

Ismael Alexandrino, secretário estadual de Saúde, e a superintendente de Vigilância em Saúde, Flúvia Amorim, propuseram aos prefeitos goianos a implementação de uma Lei Seca para conter a disseminação do coronavírus. Flúvia sugeriu a necessidade dos municípios adotarem lei seca em bares após as 22 horas e também a restrição a eventos para conter a disseminação da Covid-19.

“É preciso que tenhamos medidas mais restritivas para os bares, por exemplo, a partir das 22h não vender mais bebida alcoólica. Os eventos também têm sido um grande problema, devido a aglomeração e a falta de cuidados sanitários e de saúde. São questões que precisam ser discutidas”, disse. A superintendente acrescentou que há grande temor que a segunda onda seja pior que a primeira, como ocorreu em outros estados.

Ela afirmou que há aceleração de transmissão em vários municípios goianos, como Jataí com a maior taxa, e Trindade, com a segunda maior. Goiânia, Aparecida de Goiânia, Rio Verde, Águas Lindas, Luziania, Novo Gama e Senador Canedo são outros municípios com alta taxa de transmissibilidade. Durante a videoconferência, Ronaldo Caiado, governador de Goiás,propôs uma enquete para adoção das novas medidas restritivas pelos prefeitos para que não haja discrepância entre os municipíos.“Somente temos vagas em Rio Verde, Anápolis, Goiânia e Aparecida de Goiânia. Nestas cidades ainda não temos as Unidades de Terapia Intensiva (UTI) lotadas”, apontou Caiado.

Marcelo Baiocchi, presidente da Federação de Comércio de Goiás (Fecomércio), se mostrou favorável à medida de restrição de horário nos bares e solicitou a ampliação de leitos no estado. Ele, no entanto, sugeriu que à medida que a contaminação diminua nas cidades haja revisão das medidas restritivas.