21.8 C
Goiânia
segunda-feira, 15, abril 2024
- Anúncio -

Detran-GO prepara plano para evitar falta de médicos credenciados

Por falta de curso de especialização, 144 médicos podem ser descredenciados do órgão e exames podem ficar mais caros

- Anúncio -

Mais Lidas

- Anúncio -
- Anúncio -
- Anúncio -
- Advertisement -

O Detran Goiás anunciou, nesta quarta-feira (20), um plano para  evitar que faltem médicos no mês de abril para a realização de exames obrigatórios para os processos de habilitação, renovação e mudança de categoria da Carteira Nacional de Habilitação (CNH). Trata-se de profissionais que terão credenciais suspensas em abril, conforme lei federal, por falta de título de especialização em medicina de tráfego.

O Detran oferecerá aos profissionais uma nova oportunidade de regularizar a situação para os que tiverem o credenciamento suspenso em abril vão conseguir renová-lo, se realizarem a prova dentro do prazo de 90 dias. Porém, nesse prazo estarão fora do sistema até a regularização.

A mudança, anunciada em 2020, deu o prazo de três anos para a adequação e ainda ofereceu aos já credenciados a prerrogativa de regularizar a situação realizando apenas a prova de título.

Seguindo o que determina a lei federal 14.071, que reformou o Código Brasileiro de Trânsito, 144 médicos devem perder o credenciamento a partir de 12 de abril. O número representa um terço do total. “Como órgão executivo de trânsito, temos que cumprir o CTB”, afirmou o presidente do Detran-GO, Delegado Waldir.

Delegado Waldir salientou que a preocupação maior é com a continuidade do serviço. “O descredenciamento desses profissionais vai deixar alguns municípios sem médicos ou com número insuficiente para a atender a demanda”, destacou. Esse é o caso de Ipameri, Pirenópolis, Padre Bernardo, Petrolina, Piranhas e Uruana.

Para que não haja prejuízos para os usuários, o Detran-GO implantará o atendimento itinerante até que a situação seja regularizada. Nessa nova formatação, onde não houver profissionais habilitados ou onde o número for insuficiente, será ofertada a oportunidade para os credenciados que residem próximo.

“Se não tiver médico credenciado nas proximidades, abriremos para quem tiver interesse. O que não podemos é deixar que a população seja prejudicada”, enfatizou. Ele salientou que o Detran-GO está trabalhando para que não haja impacto no atendimento.

Um dos grandes desafios da autarquia é despertar o interesse de médicos e clínicas em regiões longínquas. Hoje, quase 70% dos profissionais credenciados atuam no Centro Goiano, mas especificamente Goiânia, Aparecida e Anápolis. Aproximadamente, 15% atuam no sul, 10,9% no leste e o restante no Noroeste e Leste. O objetivo da atual gestão é levar atendimento a todos os municípios de forma universalizada.

Pagamento

Atualmente, Goiás conta com 498 médicos de trânsito credenciados em todo o Estado que realizam entre 45 mil e 50 mil exames por mês, ao custo unitário de R$ 90 reais, pagos diretamente ao profissional/clínica. Até o momento, pelo menos 144 médicos não apresentaram o título de especialização.

O presidente do Detran-GO reforçou que as clínicas e os médicos devem se adequar quanto às formas de recebimento. A portaria 1165/2021 prevê que deve ser ofertado ao cidadão a possibilidade de pagar o exame com dinheiro, Pix ou cartão de crédito. Porém, muitos profissionais não estão aceitando cartão ainda.

Leia mais: Goiás projeta força máxima para enfrentar o Vila Nova, Breno Herculano segue fora

- Anúncio -
Array
- Anúncio -
- Anúncio -

Últimas Notícias

- Anúncio -