Coronavírus: um terço da população mundial está em isolamento

0
Foto: Shutterstock

Cerca de 2,8 bilhões de pessoas vivem atualmente sob algum tipo de restrição de circulação para conter o rápido avanço da Covid-19, doença provocada pelo novo coronavírus. O número representa um terço da população mundial, conforme aponta um balanço da agência France Presse (AFP).

O número chegou a este patamar depois que a Índia decretou quarentena geral para seus moradores por 21 dias. Além da Índia, que corresponde à metade do total, o número é puxado para cima principalmente pela Europa, onde a maioria dos países estabeleceu algum tipo de norma de isolamento social desde que o continente virou o novo epicentro da pandemia. Países como Espanha (46 milhões de habitantes), França (66 milhões), Itália (60 milhões) e Reino Unido (66 milhões) já decretaram medidas severas de restrição para suas populações – basicamente, só sai de casa quem realmente precisa.

A Alemanha, maior população do continente, está conseguindo resultados positivos sem ter decretado uma quarentena geral, apenas medidas parciais, como o cancelamento de aulas e de eventos de multidão. Mas alguns estados do país, como Bavaria e Sarre, foram mais radicais e fecharam tudo que não seja essencial.

A medida segue recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS), que orienta os países a tomarem medidas duras que favoreçam o isolamento físico das pessoas, apesar do custo social e econômico significativo.

As regras de isolamento social, que variam de país para país, têm por objetivo diminuir o tempo de transmissão do vírus de pessoa a pessoa. Ainda segundo a OMS, a medida dá tempo aos governos tempo para equipar e fortalecer seus sistemas de saúde com equipamentos, expansão de leitos, construção de hospitais e contratação de profissionais de saúde.

Leia mais:

Goiás tem 49 casos confirmados de novo coronavírus; Brasil chega a 97 mortes